Acontece

Últimos acontecimentos mundiais comentados e contextualizados.

COVID-19

03/04/2020 · 05:30 · atualizado em 03/04/2020
Em tempos de coronavírus, isolamento social não é sinônimo de solidão.

Números oficiais dão conta de que a Covid-19, doença provocada pelo coronavírus, foi registrada em pelo menos 180 países. O número de infectados mundialmente já ultrapassou a casa de 1 milhão de pessoas. Com o objetivo de conter a propagação do vírus, várias medidas, entre elas as de isolamento social, estão sendo impostas pela maioria dos países e organizações de saúde.

O chamado isolamento é uma ação para evitar aglomerações e reduzir ao máximo o contato entre as pessoas doentes e não doentes.

Mas isto significa que não se pode mais ter contato com ninguém?

Não existe um número específico de indivíduos para se evitar. A principal preocupação no momento é reduzir a transmissão; logo qualquer contato é considerado perigoso. Exemplo: um evento com 200 pessoas é desaconselhado, o que não significa que alguém não possa ser infectado em uma reunião com 3 pessoas.

Até agora, não existe nenhuma vacina ou medicamento para tratar a Covid-19. Por isso, o afastamento ainda é o melhor caminho para impedir que o vírus se espalhe.

Um paciente infectado pode contaminar de 2 a 5 pessoas, em média. Então, o objetivo principal dessas medidas, que também incluem lavagem das mãos, uso de álcool, e de desinfetantes nas superfícies é para tentar quebrar esse ciclo, ainda que o conceito de distanciamento social apareça de forma mais agressiva.

E quanto às necessidades básicas, como alimentação e remédios?

Se você estiver saudável e em isolamento é claro que não vai parar totalmente a sua vida. Certamente, em algum momento vai precisar de remédios, de comida ou até mesmo de ir ao médico; não há como evitar. Mas, como a população em geral não foi amplamente testada em relação à infecção pelo vírus, não há como saber quem está infectado, principalmente nas ruas.

Em alguns casos, a pessoa pode até parecer bem, mas estar contaminada. Por isso, a indicação é: se o seu familiar tem mais de 60 anos, procure realizar a tarefa para ele, exceto ir ao médico. Já para as pessoas fora do grupo de risco, o ideal é sair apenas para atender as necessidades básicas.

As demais atividades da nossa rotina diária, como ir à praia, restaurantes, praças, visitar amigos e fazer festas, podem esperar agora.

Neste momento, toda decisão precisa ser tomada com base nos riscos de contaminação

Precisa ir ao mercado? A sugestão é que você já saia de casa com a lista do que é preciso comprar, principalmente para não demorar muito tempo e para não estocar grandes quantidades de alimentos.

Durante a compra, evite levar as mãos ao rosto, porque todo mundo toca nos itens, nos carrinhos e nas prateleiras. Além disso, manter uma distância dos demais é fundamental para a segurança de todos.

Ao chegar, não leve os calçados para o ambiente interno da casa e lave bem as mãos. Se utilizou o celular, limpe-o com álcool em gel. Vale ressaltar que a sobrevida do coronavírus em superfícies é de 72 horas (3 dias) no aço inoxidável e no plástico; 24 horas (1 dia) no papelão; 4 horas no cobre e de 40 min a 2h30min em aerossolizadas (disperso sob a forma de aerossol ou poeira).

É importante manter a saúde mental

Segundo especialistas, o Brasil ainda não passou pelo pico de contaminação pelo vírus (que deve ocorrer nas próximas semanas) e, em meio a toda essa problemática na saúde, ainda contamos com consequências econômicas imensuráveis.

Com tantas repressões, incertezas e medo de uma doença que se espalha muito rapidamente, é normal se sentir cansado e sobrecarregado. Se você está se sentindo sozinho e isolado do resto do mundo, utilize a tecnologia a seu favor; ligue para amigos, familiares e faça uso das redes sociais para compartilhar seus momentos com as pessoas de que você gosta.

Fuja do tédio e dos dias de separação física com inovação; faça teleconferências, chamadas de vídeo e aproveite para conversar e matar a saudade daqueles que você não pode estar junto agora.

Fique atento às notícias, mas procure desligar-se um pouco às vezes; nossa saúde mental também é importante neste momento. A verdade é que vamos precisar de um pouco mais de tempo até que tudo volte ao “normal”, mas vai passar!